Turma 7ºA

Para os alunos do 7ºA


    As cidades--- Resumo [19/01/2017]

    Compartilhe
    avatar
    [Administrador]Rui
    Admin

    Mensagens : 13
    Data de inscrição : 21/02/2017

    As cidades--- Resumo [19/01/2017]

    Mensagem por [Administrador]Rui em Ter Fev 21, 2017 7:37 pm

    Organização política em Esparta
    - Em Esparta, vivia-se numa oligarquia ou seja, o poder político estava concentrado nas duas famílias mais importantes, tendo assim dois reis, que eram os líderes religiosos e militares e podiam convocar a guerra.
    - Eram controlados pelo Eforado. Os Éforos tinham poderes executivos e judiciais: executavam as leis, vigiavam o seu cumprimento e julgavam os crimes menos graves.
    - A Gerúsia tinha poder legislativo e judicial
    Todos os membros de ambos os órgãos pertenciam às principais famílias militares, mas eram eleitos por uma assembleia, a Apela, onde participavam os cidadãos com mais de 30 anos e onde se votava a aprovação das leis.

    O modelo de democracia ateniense

     O modelo político ateniense é pioneiro no género, pois trata-se da primeira democracia da história, onde os cidadãos participam da vida pública, através da Eclésia.
     No entanto, apresenta algumas limitações:
       – a maior parte dos atenienses (mulheres, metecos e escravos) não eram considerados cidadãos, logo não tinham voz política;
       – a liberdade de expressão era limitada, existindo penas, como o ostracismo ou mesmo a morte, para quem colocasse em causa as leis estabelecidas;
       – Atenas praticava o imperialismo sobre os seus aliados do mar Egeu.





    A educação e o papel da mulher
    Educação em Atenas
    Até aos 7 anos, as crianças são educadas em casa pela mãe.
    Dos 7 aos 20 anos, os rapazes são formados nas mais diversas áreas (intelectuais e físicas), de modo a serem cidadãos de pleno direito.
    Educação em Esparta
    Até aos 7 anos, as crianças são educadas em casa pela mãe.
    Dos 7 aos 20 anos, a educação é orientada para a guerra e proteção da cidade.
    As raparigas também praticam atividades físicas, mas também aprendem como tratar da casa e da família.

    O papel da mulher e os debates atuais

     A mulher desempenhava um papel subalterno na sociedade ateniense. Impossibilitada de participar na política da pólis, tinha uma vida confinada ao recato da casa, sobretudo no gineceu, e os seus direitos eram muito limitados. Tinha como funções a educação dos filhos (até aos 7 anos), tear e tecer peças de roupa e, se pertencesse a famílias menos abastadas, vendia nos mercados.
     O papel social secundário da mulher foi uma constante ao longo da história e apenas no final do séc. XIX e, sobretudo, ao longo do séc. XX, foi conseguindo desempenhar um papel igual ao do homem. Ganhou o direito de voto nas eleições e o direito de poder participar diretamente na política, entre outras conquistas. No entanto, ainda hoje se verificam situações de discriminação e desigualdade social com base no género.
    Papel da mulher
    Atenas
    Posição subalterna, dependendo do pai e, posteriormente, do marido.
     Educação orientada para os afazeres domésticos.
     Casava-se cedo (entre os 15 e os 18 anos) e o seu marido era escolhido pelo pai.
     Não participava na vida política.
     Raramente saía de casa.



    Esparta
    Incentivada a ser forte e resistente.
     Participava em torneios e práticas desportivas.
     Recebia educação mais avançada, pois, na ausência dos homens, governavam a casa.
     Casava mais tarde (entre os 19 e os 20 anos) e após pedir autorização ao Estado

    A organização económica e social no mundo grego: o exemplo de Atenas
    As atividades económicas

     Atenas, como a maior parte das poleis, vivia da agricultura e do comércio, procurando no exterior o que não tinha capacidade de produzir, como os cereais. Deste modo, e tendo em conta a sua localização geográfica, desenvolve uma economia:
       – comercial, com base no comércio;
       – marítima, apoiada na proximidade ao mar e no desenvolvimento da construção naval;
       – monetária, com o cunho de moeda em prata, para pagar os produtos adquiridos.

    A organização social ateniense

    A sociedade ateniense estava dividida em três grupos sociais:

     Cidadãos – Homens livres, maiores de 18 anos, filhos de pai e mãe atenienses. Eram os únicos a quem era permitida a posse de terra, da qual provinham os seus rendimentos. Eram também os únicos a participar na vida política ateniense, ocupando cargos nos organismos políticos.
     Metecos – Estrangeiros autorizados a residir e a trabalhar em Atenas, onde viviam do comércio e do artesanato.
     Escravos – Era o maior grupo de Atenas, talvez cerca de metade da população, constituído por prisioneiros de guerra, que tratavam dos trabalhos mais duros, como a extração mineira, trabalho nos campos e atividades domésticas.


    O quotidiano
     Os cidadãos eram os únicos que possuíam propriedades e tempo livre. Habitavam casas simples e dedicavam a sua vida a atividades externas: política, desporto, lazer.
     Os metecos dedicavam-se às suas atividades económicas. Viviam junto das suas oficinas.
     Os escravos viviam em função dos cidadãos e trabalhavam nas suas casas, nos seus campos e nas suas minas.


      Data/hora atual: Seg Ago 21, 2017 3:37 am